Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Acervo Museológico
Início do conteúdo da página

Acervo Museológico

Publicado: Quinta, 10 de Janeiro de 2019, 14h23 | Última atualização em Segunda, 25 de Fevereiro de 2019, 10h54 | Acessos: 366

Os primeiros objetos incorporados ao acervo da Divisão de Museologia do Museu Amazônico são provenientes de pequenas doações, realizadas a partir da década de 1990. Esses objetos são parte da primeira coleção museológica, designada “Coleção Museu Amazônico”. Nesta, constam objetos ligados às sociedades indígenas, às populações ribeirinhas, instrumentos de ciência e tecnologia e obras de arte.

Ao longo dos anos, com o progressivo crescimento do acervo, tanto por compra, quanto por doação, foram sendo formadas outras coleções, que assinalam em sua designação, via de regra, o nome do responsável pela doação, coleta, e/ou produção dos objetos. No conjunto, o patrimônio musealizado documenta diferentes aspectos da história e memória da Amazônia, dando conta de diferentes espaços e tempos das sociedades e culturas da região Norte do Brasil, em especial do estado do Amazonas.

Atualmente, o acervo museológico é composto pelas seguintes coleções:

Museu Amazônico – Começou a se constituir no início dos anos 1990 e abarca, atualmente, cerca de 600 itens, composto, principalmente, de objetos etnográficos indígenas e de populações ribeirinhas Amazônicos.

Coleção Jair Jacqmont – Formada por 178 itens de cultura material da etnia Ticuna, o maior grupo indígena da Amazônia brasileira, a coleção foi formada pelo artista plástico amazonense Jair Jacqmont, a partir da década de 1970, por meio de compras realizadas no Mercado Municipal Adolpho Lisboa, em Manaus, e em lojas da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Adquirida pelo Instituto Evaldo Lodi (IEL), foi doada por esta ao Museu Amazônico em 1997. Compõe-se de esculturas, máscaras e bastões rituais, que revelam, em distintas dimensões, a riqueza estética e as visões de mundo do grupo indígena.

Coleção Renato de Gasperi – Composta por 33 itens, a coleção compreende desde objetos etnográficos a obras de arte. O artista plástico e médico Renato de Gasperi, natural de Bento Gonçalves (RS) e residente no município de Envira, interior do estado do Amazonas, doou ao Museu Amazônico obras de arte de sua autoria (5 esculturas) e do artista Dário Rocha (15 esculturas), integrante do grupo Maravilha do Amazonas. Ainda integra a coleção: cerâmica indígena (6 itens, das etnias Pirahã, Matis, Kadweu e Tukano), máscaras (5 itens da etnia Ticuna e 1 da etnia Matis) e 1 manta de algodão da etnia Kaxinawá.

Coleção Feliciano Pimentel Lana – Composta por 367 aquarelas sobre papel e 1 pintura sobre tururi, obras do artista plástico indígena Feliciano Pimental Lana, da etnia Dessana, natural da aldeia de São João Batista, rio Tiquié, no Distrito de Pari-Cachoeira, município de São Gabriel da Cachoeira, interior do Amazonas. Obras adquiridas por compra, pela UFAM, em 1996.

Coleção Silvino Santos – Compreende um conjunto diversificado de materiais que retratam a vida e a obra do português Silvino Santos, pioneiro da fotografia e do cinema no Brasil, que legou importantes registros da vida social e cultural da Amazônia da primeira metade do século XX. Formada por fotografias, negativos em vidro, filmes, equipamentos fotográficos, documentos e objetos pessoais, recortes de jornais, revistas, livros e manuscritos, parte da coleção foi adquirida pela UFAM através de compra e alguns itens por doação.

Coleção Márcio Souza (TESC/SESC) – Composta por condecorações e fotografias de peças de teatro montadas pelo grupo do Teatro Experimental do Serviço Social do Comércio – TESC/SESC, dirigidas pelo escritor Márcio Souza, nas décadas de 1960-80.

Coleção UFAM – composta de itens bibliográficos, condecorações e presentes, recebidos pela Reitoria e de fotografias do acervo institucional da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), compreendendo o período de 1964 a 2009, que registram diferentes aspectos da vida acadêmica da instituição no período, como solenidades, eventos, imagens do campus universitário, dentre outros.

Coleção IBAMA – Formada por objetos apreendidos em operação realizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), no início dos anos 2000, é composta principalmente de cultura material indígena, coletada por um comerciante que as revenderia no exterior. Transferida para o Museu Amazônico em 2002, na forma de depósito, desde então está sob guarda da instituição, constando de 2.381 itens, que incluem instrumentos musicais, objetos rituais, trançado, adornos plumários e ecléticos, artefatos e utensílios de madeira, plumária, indumentária, cerâmica, cordões e tecidos, produtos de origem animal (couro e pele) e vegetal (plantas), souvenires e armas. Os objetos foram produzidos por diferentes grupos étnicos indígenas, de diversos estados brasileiros, dentre os quais se destacam: Baníwa, Bororo, Botocudo, Gavião, Hixkaryana, Juruna, Ka’apor, Kaiabi, Kaiapó, Kamayurá, Karajá, Kaxinawá, Kobéwa, Maku, Matis, Rikbaktsa, Sateré-Mawé, Tapirapé, Tembé, Tenharim, Ticuna, Tukano, Uru-eu-wai-wai, Xavante, Xikrin, Waimiri-Atroari, Waiwai, Wayana e Aparai, Yanomami e Zo’é.

Coleção Manoel Bastos Lira – Composta por instrumentos científicos e tecnológicos utilizados pelo professor, cientista, bioquímico e farmacêutico Manoel Bastos Lira, formado pela Universidade Livre de Manaós e que atuou durante décadas como docente dos cursos de Farmácia e Odontologia da UFAM, tendo recebido desta instituição a Medalha do Mérito Universitário, em 1984. Constituída por microscópios, colorímetro, bomba peristáltica, equipamentos para transfusão e para conter sangue, vidraria de laboratório, conversor para rádio, voltímetro, perfuradora manual, fones de ouvido e conjunto de lentes, totalizando 20 itens, os objetos são importantes documentos sobre a história da Medicina no Amazonas e alguns foram utilizados em laboratório por outros profissionais, como o Dr. Alfredo da Mata e o Prof. Gilberto Frignani. Além disso, alguns aparelhos são relativos à Radiodifusão, na qual Bastos Lira foi pioneiro no estado.

Coleção Rui Machado – Formada por objetos arqueológicos, etnográficos, e paleontológicos, doados pelo artista plástico amazonense Rui Machado, entre os anos de 2007 e 2018. Formada por objetos etnográficos indígena (braceletes, brincos, esculturas), arqueológicos (cerâmica e lítico), paleontológicos (fósseis), livros e discos de vinil, doados pelo artista plástico amazonense Rui Machado ao Museu entre os anos de 2007 e 2018.

Coleção Gabriel Gentil – Formada por livros, manuscritos, correspondências, fitas de áudio (vários suportes), discos de vinil, recortes de jornais, revistas, fotos, documentos pessoais e desenhos. Doada por Gabriel dos Santos Gentil, indígena da etnia Tukano, natural da Aldeia Pari-Cachoeira, no rio Tiquié, município de São Gabriel da Cachoeira, interior do Amazonas. O material é de especial relevância para a Etnologia Indígena, tendo em vista o trabalho desenvolvido pelo autor na produção de registros e livros sobre os saberes tradicionais Tukano e de outros grupos, compreendendo o período entre as décadas de 1970 e os anos 2000.

Coleção Thiago de Mello – Adquirida ao poeta amazonense Thiago de Mello pela Fundação Djalma Batista (por meio do Programa Mais Cultura nas Universidades, do Ministério da Cultura), a coleção foi doada à UFAM e é formada por cartazes, certificados e diplomas, condecorações, objetos etnográficos, fotografias e objetos fúnebres.

Coleção Edney Azancoth – Doada pelo ator, diretor e dramaturgo amazonense Edney Azancoth, é formada por cartazes, publicações, recortes de jornais, folders, convites, certificados, diplomas, jornais, cartões postais, fotografias, correspondências e textos de peças teatrais. No conjunto, o material documenta importantes aspectos da vida cultural de Manaus, especialmente do teatro.

Coleção Raimundo Chaves Ribeiro – Doada pela Sr.ª Maria de Lourdes Ribeiro Normando e seu filho, Afonso Ribeiro Normando, é formada por fotografias, documentos pessoais, publicações, recortes de jornais e correspondências que pertenceram a Raymundo Chaves Ribeiro, jornalista, advogado e prefeito da cidade de Manaus entre 1947 e 1951.

Coleção Fotográfica de Arqueologia Amazônica – Formada por registros fotográficos que documentam a atuação da Arqueologia na Amazônia, a partir dos anos 1990, especialmente em projetos de pesquisa e salvamento arqueológico que tiveram ativa participação de profissionais do Museu Amazônico, assim como em parceria com outras instituições.

Fim do conteúdo da página